terça-feira, 22 de março de 2016

Governo vê risco de impeachment ser aprovado e decide brigar na Justiça. Jornais de terça (22)

Convencido de que não há base legal, somado ao temor de que não consiga os 172 votos necessários e acabar derrotado no plenário da Câmara, o governo decidiu brigar na Justiça contra o impeachment. 

A briga na Justiça pela posse do ex-presidente Lula na Casa Civil e contra o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância, teve novos lances. Os desdobramentos da crise estão nas manchetes dos jornais desta terça (22).  

No Globo: “Governo já vê risco de derrota no impeachment”. A presidente Dilma Rousseff e aliados estão contabilizando perda de apoio e a deterioração da base. No Estado de S. Paulo: “Impasse jurídico prossegue e PT teme prisão de Lula”.  

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), passou a ser a relatora do pedido de habeas corpus impetrado pela defesa de Lula depois de Luiz Edson Fachin se declarar impedido por ser amigo intimo de um dos juristas que assinam o HC. Com essa judicialização, Lula não assumiu ainda o Ministério.  

Na Folha de S. Paulo: “Dilma já prepara ação no STF contra impeachment”.  Em uma das ações no STF, a Advocacia Geral da União acusa Sérgio Moro de pôr em risco a segurança nacional por divulgar diálogo da presidente.  

Os delegados da Polícia Federal, através de suas associações de classe, reagiram contra a ameaça do ministro da Justiça, Eugenio Aragão, de trocar equipe de investigação em suspeita de vazamento. Aragão negou que pretenda, no momento, trocar o diretor da PF. 

Réu da Lava Jato, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), entregou no último prazo sua defesa no Conselho de Ética. A 25ª fase da Lava Jato prendeu o luso-brasileiro Raul Schmidt Felippe Juniorforagido desde julho de 2015 sob acusações de envolvimento nos desvios de dinheiro da Petrobras.

A ex-senadora Marina Silva (REDE-AC) concedeu entrevista ao Estadão e ao Valor dizendo que o PMDB também é suspeito e reafirmou: o mais legítimo é a cassação da chapa via Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Esse ponto de vista ela defendeu primeiramente em artigo escrito para este blog. A Lava Jato suspeita de dinheiro da Petrobras na campanha Dilma-Temer.

A Petrobras anunciou o maior prejuízo da sua história, pior inclusive que o de 2014 que inclui um cálculo de custo de corrupção. Desta vez, o prejuízo foi de R$ 34,8 bilhões.

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, anunciou um pacote que, no fundo, representa mais gastos: criou uma regra para não gastar em determinadas áreas durante períodos de crise e alongou a dívida dos Estados, permitindo o abatimento nos próximos 24 meses nas prestações dos Estados à União.

A Anac apontou que o voo em que morreu o ex-presidente da Vale Roger Agnelli estava irregular. A Anvisa liberou remédio com derivado de maconha muito utilizado por pessoas com, por exemplo, com epilepsia grave. 

Dia histórico em Havana durante visita do presidente dos EUA, Barack Obama. Entre outros ineditismos, uma entrevista coletiva de Obama ao lado do presidente de Cuba, Raul Castro, que se irritou com perguntas de jornalistas.

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, internado há dez dias está com doença óssea, terá o diagnóstico divulgado nesta terça (22) após o resultado da biópsia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário