terça-feira, 15 de março de 2016

Já vai tarde Fernando “Surtado”…

O Maranhão se livrou de uma praga, melhor, de um débil, que por um desses acidentes de percussos da política maranhense, conseguiu chegar ao seu auge: ocupar, mesmo provisoriamente, assento na Assembleia Legislativa do Maranhão.
Nesta terça-feira(16), Bira do Pindaré volta ao Palácio Manoel Beckman, e por tabela, retorna “Surtado” de onde nunca poderia ter saído: Da suplência.
Fernando Luiz Ribeiro Furtado, de 60 anos, tomou posse na Alema no dia 24 de março de 2015, em decorrência da saída do titular da vaga, deputado estadual Bira do Pindaré(PSB), convidado para assumir a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Secti).
Nesse período, Furtado acabou ‘surtando’. E transformou sua passagem no parlamento maranhense de pouco mais de um ano num gigantesco constrangimento para seu partido, o PCdoB.
São João do Caru
No mês de setembro do ano passado, o Blog do Domingos Costa teve acesso com exclusividade a um discurso inflamado de mais de trinta minutos de duração. Numa plenária lotada de trabalhadores rurais durante Audiência Pública realizada no dia 04 de julho de 2015, em São João do Caru, organizada pela Aprocaru – Associação dos Produtores daquele Município, Furtado falou o que rendeu aplausos da platéia, entretanto, ultrapassou os limites do equilíbrio mental.
Um dos temas preponderantes da reunião foi acerca  da Terra Indígena (TI) Awá, localizada entre os municípios de Centro Novo do Maranhão, Governador Newton Bello, São João do Caru e Zé Doca, no oeste do Maranhão, território de ocupação do povo indígena Awá-Guajá, onde vivem grupos isolados e de recente contato.
No total, foram nove áudios, o parlamentar ‘misturou’ assuntos sem nenhuma relação com o tema do evento, momento que acusou duramente a Igreja católica de incendiar pessoas; disse que índio têm que morrer, pois são bando de ‘viadinhos’; taxou Antropólogos de fumadores de maconha; Acusou petistas ex-dirigentes do Incra de corrupção; disse ainda, que o Tribunal de Justiça é um espaço de venda de sentença e negociata; e ainda taxou o juiz federal Carlos Madeira de covarde. E por fim, ainda afirmou que os irmãos deputados Cléber e Junior Verde são bandidos e pilantras.
Nos link’s abaixo, relembre os áudios bombásticos que renderam a Furtado inúmeros processos, muito desgaste, além do prêmio de Racista do Ano, pela ONG Survival International.

Nenhum comentário:

Postar um comentário