quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Motorista réu por atropelar ciclistas enfrenta júri popular em Porto Alegre

O bancário Ricardo José Neis, acusado de atropelar um grupo de ciclistas em Porto Alegre, enfrenta a partir das 9h desta quarta-feira (23) o julgamento do caso mais de cinco anos após o incidente no bairro Cidade Baixa, na Região Central de Porto Alegre, que terminou com 17 pessoas feridas. Neis terá de passar pelo júri popular, no qual representantes da comunidade participam da decisão.
A sessão será realizada na 1ª Vara do Júri, na capital gaúcha. Os promotores Eugênio Paes Amorim e Lúcia Helena de Lima Callegari vão atuar na acusação, representando o Ministério Público. A defesa do réu é realizada pelo advogado Manoel Pedro Silveira Castanheira.
Neis responde em liberdade por 11 tentativas de homicídio e seis lesões corporais. O atropelamento aconteceu por volta das 19h do dia 25 de fevereiro de 2011, a última sexta-feira do mês, quando costuma ser realizada em Porto Alegre a Massa Crítica, pedalada coletiva em defesa da bicicleta como meio de transporte.
Atropelamento coletivo de ciclistas ocorreu em fevereiro de 2011 (Foto: Ricardo Duarte/Agência RBS)Atropelamento coletivo de ciclistas ocorreu 2011
(Foto: Ricardo Duarte/Agência RBS)
O carro conduzido por Neis, um Volkswagen Golf, avançou sobre vários ciclistas que pedalavam pela Rua José do Patrocínio, no bairro Cidade Baixa, área central de Porto Alegre. Ele teria ficado irritado por ter a passagem bloqueada pelo grupo e avançou com o veículo para cima dos ciclistas.
A prisão preventiva do bancário foi decretada em março de 2011 e a liberdade provisória foi concedida no mês seguinte. Em junho de 2012, ficou definido que ele seria julgado pelo Tribunal do Júri. Entretanto, a defesa de Neis recorreu ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que manteve o julgamento popular.

A defesa do bancário, então, recorreu ao Superior Tribunal de Justiça. Mas após um ano e meio, o processo retornou à 1ª Vara do Júri de Porto Alegre. O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul disponibiliza uma linha do tempo com o passo a passo do processo contra o bancário.
O processo é acompanhado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Corregedoria-Geral da Justiça do Rio Grande do Sul (CGJ). A decisão foi tomada pela CGJ em conjunto com o magistrado responsável pelo processo. O motivo, segundo o TJ, é que se trata de um processo de "relevância social", e o tribunal pretende conferir se a tramitação teria agilidade.Ricardo Neis (Foto: Reprodução/TV Globo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário